História do Louvre

História do Louvre

Tempo de leitura: 26 minutos

A história do Louvre começa por volta de 1190, com o rei francês, Filipe II Augusto (1180 -1223), que apesar de estar comprometido em participar da terceira cruzada em Jerusalém, em Israel, ordenou antes de partir, que fosse construído uma grande muralha de pedra entorno de Paris e uma grande fortificação no lado sudoeste para proteger a cidade de uma possível invasão do rei inglês, Ricardo I° Coração de Leão (1190-1199), que estava estacionado com seu exército, a 60 km da capital.

História do Louvre
Muro e fortaleza do Louvre, de Filipe II Augusto.

O Louvre de Filipe II Augusto.

Filipe II Augusto (1180 -1223)

O Louvre de Filipe II foi um projeto bem simples, de função militar para abrigar soldados, armas, e servir se necessário como prisão. No centro do forte, existia uma torre cilíndrica de observação, chamada “donjon” (ou torreão), de 32 metros de altura, e 15 metros de diâmetro, podendo a vistar todas as planícies em volta de Paris, e controlar as entradas e saídas das embarcações pelo rio Sena.

História do Louvre
Fortaleza de Filipe II Augusto. Imagem: Paris 3D Saga.

Era rodeada por um fosso com águas do rio Sena, protegida por um muro espesso quadrado de 77 metros no lado norte-sul, e por 70 metros no lado leste-oeste, e com torres menores ao seu contorno.

História do Louvre
Fortaleza de Filipe II Augusto. Imagem: Paris 3D Saga.

Origem do nome Louvre:

Segundo alguns historiadores, o local escolhido por Felipe II Augusto, para construção da fortaleza era numa área afastada do centro urbano, chamada em latim Lupara ou Lupus ou Loups ou o mais provável, Louves (fêmea do lobo). Um destes nomes poderia ter sido usado para designar um local frequentado por lobos ou onde se caçavam lobos ou onde se treinavam cães de caça de lobos ou onde se guardavam materiais de caça para lobos.  Dando origem assim ao forte medieval :

“Forteresse des Louves” (em francês),  Fortaleza dos Lobos, (em português).

História do Louvre
Fortaleza dos Lobos – Louvre

Outra possibilidade, na língua celta, o sufixo “ara”, de “Lupara”, quer dizer córrego de rio ou por onde se passa um rio ou um curso de água, lembrando que o rio sena estava bem próximo da fortaleza construída.

Outra ideia, como a França foi ocupada no século V pelos francos sálios, tribos de guerreiros e conquistadores do norte da Europa, que não falavam, nem entendiam o latim, (chamados pelos romanos de os Bárbaros) teriam deixado como herança etimológica, no antigo vocabulário francês do século XII, palavras de origem germânica, como: Lower, Lovar, Leovar, Leowar, Lover, que podemos traduzir para o português como: Castelo ou Campo Fortificado ou Torre de Vigia ou Torre de Observação.

Ou simplesmente: L’Oeuvre (em francês), A Obra, (em português).

Da Fortaleza para depósito do tesouro Real:

A situação do forte do Louvre, muda rapidamente, ele é gradualmente cercado por um distrito urbano bastante denso que o faz perder o interesse defensivo. Além disso, os reis da França, que gostam de se mudar dentro de sua capital entre suas diferentes residências, serão levados a residir cada vez mais. Data do reinado de Saint Louis (1226-1270) uma grande sala de pilares que foi construída no porão do castelo e ainda é visível hoje.

Mas com o intenso crescimento urbano da cidade, e o surgimento de novas armas militares, o forte perdeu sua função defensiva e ficou obsoleto. Foi prisão, arsenal de armas, e já sobre Filipe IV (1280 – 1314), o belo, foi depósito do Tesouro Real.

Residência (fortaleza) de Carlos V, o sábio.

Carlos V (1364-1580).

Somente com o rei, Carlos V (1364 -1380), que após sofrer um atentado no Palácio “de la Cité”, resolveu mudar-se para o velho e abandonado Forte Medieval do Louvre, bem mais seguro, e protegido.

Entre 1364 a 1380 várias modificações foram feitas pelo arquiteto gótico, Raymond du Temple que além de restaurar a fortaleza medieval, numa  luxuosa residência real, ele também projetou uma  nova muralha em torno de Paris. Devido o crescimento populacional da cidade, a antiga muralha de Filipe II Augusto perdeu sua funcionalidade de proteção.

História do Louvre
Muro Carlos V e Filipe II Augusto. Imagem: Paris 3D Saga.

Galerias, vitrais, paredes interiores revestidos de madeira e pinturas murais, (afrescos), muitas janelas para o exterior, jardins internos, externos, uma rica biblioteca, com joias e objetos preciosos, e uma imponente escadaria helicoidal como acesso principal do castelo.

História do Louvre
Palácio do Louvre de Carlos V (1364-1380). Imagem: Paris 3D Saga.

Mas alguns anos depois também foi abandonada pelos reis que sucederam em seguida devidos crises politicas, problemas sociais e financeiras, e uma guerra que durou mais de 100 anos. Durante todo o século XV, os reis em busca de segurança preferiram trocar a Residência de Paris, pelos castelos do Vale do Loire.

Palácio do Louvre, de Francisco I°.

Francisco I° , de Jean Clouet. Museu do Louvre

No fim do século XV, e incio do século XVI, novas ideias, e um novo estilo de vida e comportamento tomaram conta da Europa, o renascimento, que tinha com o princípio base, o humanismo, o homem como sendo o centro do pensamento filosófico, e não Deus.

O rei Francisco I° (1515-1547) seguindo este pensamento encomendou ao seu principal arquiteto, Pierre Lescot, e escultor, Jean Goujon, um novo projeto em cima da velha e abandonada Residência e fortaleza medieval de Carlos V. 

De 1531 a 1545, muitas reformas foram feitas neste antigo Louvre gótico, de paredes frias, janelas sufocantes, aposentos sem de ar puro, sem iluminação natural, e de espaços apertados e sujos.

Francisco I°, amante das artes, pinturas italianas, e da arquitetura, insatisfeito pelas péssimas condições de acomodamentos para sua família e convidados, resolveu mudar tudo, ordenando que fosse criado um novo estilo de arquitetura para o Louvre.

História do Louvre
Palácio Renascentista de Francisco I°. Ala Lescot

Para a valorização deste novo conceito buscava-se na arquitetura renascentista uma representação materializada do pensamento grego e romano, um modelo perfeito do ideal, e a razão da existência do homem. Simetria, verticalidade, horizontalidade, equilíbrio nas formas, e representações da natureza são altamente impregnadas neste nova forma de construir.

Palácio de Henrique II.

Mas Francisco I°, morre 1547 sem ver o resultado final de sua obra. Seu filho, e sucessor, Henrique II (1547-1559) deu continuidade ao projeto, com os mesmos artistas, Lescot e Goujon, mas modificando um pouco o projeto original. Além de embelezar a famosa “Sala das Cariátides” mandou construir uma pequena galeria em anexo ao edifício de Lescot com vista para o rio Sena.

História do Louvre
Salle des Caryatides. © 2011 Musée du Louvre / Thierry Ollivier

Palácio das Tulherias e a Grande Galeria.

Um novo palácio de proporções gigantescas foi surgindo com o tempo nas mãos, de vários outros reis que ali vieram morar.

Não muito longe dali, em 1564, Catarine de Médici (1519-1589), viúva do rei Henrique II encomenda ao arquiteto, Philibert Delorme, a construção do Palácio das Tulherias.

História do Louvre
Palácio das Tulherias, de Catarina de Médici. Detalhe da planta de Mérian (1615).

Algum tempo depois , o rei Henrique IV (1589-1610) termina as obras começadas nos reinado de Carlos IX, e mandou construir um novo edifício chamado a Grande Galeria pelos arquitetos Louis Métezeau, e Jacques II Androuet du Cerceau, ao longo do rio Sena, para fazer a união do Palácio do Louvre com o Palácio da Tulherias.

História do Louvre
A “Grande Galeria” de Henrique IV e o Palácio das Tulherias, de Catarina de Médici. Grande desenho d’Henri IV , Castelo do Louvre, (1600-1615), de Louis Poisson. Castelo de Fontainebleau, na Galeria “des Cerfs”.

O Louvre barroco de Luís XIII.

Em 1624, Luís XIII (1610-1643), e seu arquiteto Jacques Lemercier, derem início a construção do Pavilhão do Relógio, e um edifício complementar a “Ala Lescot”, de Francisco I° e Henrique II, conhecido atualmente como “Ala Lemercier”, e determinado a fechar com outras obras, toda o quadrilátero que cercava a “Cour Carrée” do Louvre, (antigo pátio quadrado do Palácio de Carlos V e da Fortaleza Medieval de Felipe II Augusto.

História do Louvre
Ala Lescot, ala Lemercier, Pavilhão do Relógio, na “Cour Carrée’.

O Louvre clássico de Luís XIV.

Em 1657, o jovem rei Luís XIV (1643-1715), juntamente com o cardeal Mazarino foram os responsáveis pelo desaparecimento total do antigo Palácio Real de Carlos V. 

O arquiteto Louis Le Vau, projetou as novos edifícios no lado do lado leste (rue de l”Amiral  de Coligny , lado norte (rue de Rivoli) e o lado sul (rio Sena), rua de Rivoli, e o Pavilhão do Relógio, edifício que se encontra entre a ala Lescot e Lemercier (foto ao alto).

História do Louvre
Louvre de Luís XIV, e a fachada “La Colonnada” de Claude Perrault.

Em 1667, começou a construção da fachada do Louvre, com o arquiteto Claude Perrault, “La Colonnada”, (1664 – 1668). O puro classicismo francês que marcará todo o período de regência  deste grande rei.

Após incêndio em 6 de fevereiro de 1661, o arquiteto Louis Le Vau ainda fez de 1661 até 1673, a reforma na antiga Galeria dos Reis (“Galerie des Rois”), atual Galeria de Apolo (“Galerie d’Apollon”).

História do Louvre
Galeria de Apolo, Museu do Louvre. Arquiteto: Louis Le Vau.

Neste conjunto de reformas, Le Vau  trabalhará também nas reformas das salas e aposentos do Palácio das Tulherias, e o paisagista, André Le Nôtre, nos jardins externos do palácio, (Le Nôtre, é mesmo paisagista que fez os jardins de Versalhes).

Louvre abandonado e trocado por Versalhes.

Em 1681, depois da saída definitiva do rei Luís XIV para o Castelo de Versalhes, muitas salas do palácio que ficaram abandonadas foram ocupadas pelas academia de artes da França: Academia de Pintura, Academia de escultura, ateliês de artistas, ceramistas, escultores, pintores, oficinas de manufaturas e trabalhadores de muitas outras profissões, sendo que muitos autorizados a morar e a trabalhar, outros não.

História do Louvre
Reunião da Academia de Pintura e Escultura (1700), de Jean-Baptiste Martin le Vieux. Museu do Louvre.

Desde de 1725 são organizados pelos acadêmicos do Louvre, exposições de pinturas e desenhos, no “Salon Carré”, nome que deu origem ao termo: “Salão de exposição”.

História do Louvre
Exposição no Salão (“Carrée”) do Louvre, (1787), de Pietro Antonio Martini.

Com a morte do rei Luís XVI (1174 – 1793), na guilhotina, o museu ficou nas mãos dos lideres deste novo governo republicano, conhecido como, o “Diretório”, regime democrático nacionalista, que pregavam o lema; “Liberdade, Igualdade, Fraternidade” (“Liberté, Égalité, Fraternité”), que decidiram que os bens e propriedade dos antigos reis, rainhas, nobres, imigrantes, e da igreja, de agora em diante seriam bens públicos, e que a população tinham direito a visitá-los.

Aquele espaço chamado pelo rei Henrique IV de, “A Grande Galerie” foi escolhido para a exposição das 660 obras confiscadas. Local idealmente espaçoso, para que assim o povo tomasse consciência das imensas riquezas, e dos abusos de poder que os antigos reis da extinta monarquia absoluta cometerem contra a nação.

História do Louvre
Grande Galeria do Louvre, (1796) de Hubert Robert.

Muitas destas obras estavam guardadas e reservadas para serem expostas um dia, desde a queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789. Guardadas com o máximo de segurança e cuidados, pois nunca se esqueceram de que durante a revolução de 1789, muitas joias e obras, do tesouro real, de grandes valores e interesses artísticos foram roubadas, queimadas, destruídas, e perdidas para sempre pela população enfurecida.

Museu Central das Artes da República.

Este novo espaço chamado: “Muséum Central des Arts de La Republique” (ou futuro Museu do Louvre) foi inaugurado em 10 de agosto de 1793, mas oficialmente aberto ao público em 08 de novembro de 1793, quase dez meses depois da execução do rei Luís XVI, (21 de janeiro de 1793), e vinte três dias depois da execução da rainha Maria Antonieta, (16 de outubro de 1793), durante o período chamado “o Terror”, (“La Terreur”, nome dado às ações do tribunal revolucionário instaurado após a revolução francesa).

História do Louvre
Galeria do Museu do Louvre, de Hubert Robert

Em 1796, com a subida ao poder do general Napoleão Bonaparte, algumas pinturas de grandes mestres italianos foram trazidas para o museu como moeda de troca para futuras negociações com as cidades conquistadas, intencionalmente roubadas em forma de tributos atribuídos (indenizações) aos países vencidos com os gastos com durante as batalhas, e também para alimentar sua glória e poder.

Ler outro artigo que escrevi: As Bodas de Caná. 

História do Louvre
As Bodas de Caná (1562-1563), de Paolo Veronese, Museu do Louvre.

Com a queda do “Diretório” que governava o país até 1799, o triunvirato consular, liderado por Napoleão com primeiro cônsul, continuou o plano de saquear cidades inteiras trazendo suas principais obras. E como foram tantas, que foram obrigados a procurarem mais espaços pelos interiores do museu.

A partir de 1800, Napoleão ordenou a expulsão de todos os mercadores instalados nas passagens e galerias, juntamente com os ateliês de artistas, oficinas, e os moradores casuais que ocupavam salas distantes e esquecidas pela administração.

Essa limpeza geral das dependências do museu durou até 1806.

História do Louvre
Exposição dos produtos da Indústria francesa, pátio central do Louvre (1801). Litografia de Hoffbauer, e Louis Fortuné.

Museu Napoleão

Em 09 de novembro 1802, Napoleão Bonaparte  mudou nome do museu, que passou a ser chamado de Museu Napoleão, tendo como Diretor-Geral, Dominique-Vivant Denon.

Personagem impar na organização das coleções de obras, departamentos, na administração das reconstruções e reformas de salas, escadas e fachadas dos edifícios. Foi tão importante para o Louvre que atualmente seu nome, Denon é uma das três alas de acesso ao museu, às outras são Richelieu e Sully. 

Vivant Denon (1808), de Robert Lefèvre.

A partir de 1805, os arquitetos de Napoleão, Fontaine e Percier, começaram os trabalhos de acabamentos dos edifícios no entorno da “Cour Carrée”. Em 1807, deram início a construção do pequeno Arco do Triunfo do Carrossel do Louvre, para celebrar suas vitórias, e só não viu a união do Palácio das Tulherias com o Palácio do Louvre, pelo lado da rua de Rivoli, porque abdicou e foi viver no exílio na  ilha de Santa Helena.

História do Louvre
’Un jour de revue sous l’Empire’’ (1810), de Hippolyte Bellangé. Museu do Louvre.

Museu Real do Louvre, Luís XVIII.

Em 1815, depois da queda do imperador Napoleão Bonaparte, a França volta a ter de novo um rei, Luís XVIII (1814/1815-1824), irmão de Luís XVI, que durante a revolução francesa havia se exilado, ou melhor, fugido para a extinta Prússia, Rússia e Inglaterra.

Com a volta da monarquia, agora, constitucional, o rei não tinha mais poderes nas decisões governamentais do país, então concentrou seu tempo e lazer, na reconstrução dos departamentos e salas do museu, mas ordenou que todas as obras que a partir daquele momento entrassem no Louvre deveriam serem feitas  por aquisições legais, transferências de outros museus ou por doações.

Ficou proibido à entrada por meios de confiscos de guerras ou outros métodos ilícitos. O Louvre neste período se enriqueceu de grandes obras-primas de pinturas e esculturas, principalmente com a chegada da Vênus de Milo e muitos objetos do antigo Egito.

Vênus de Milo (100 a.C.).

Um museu dentro de outro, Museu Carlos X.

O Louvre sobre administração do rei Carlos X (1824-1830), irmão mais novo de Luís XVI e Luís XVIII, ordenou que fosse reformado uma ala específica do Museu Real do Louvre, para instalação das coleções; antiguidades egípcias, antiguidades orientais, e arte greco-romano.

Em 1827, o próprio rei, inaugurou 8 salas contínuas, que conhecemos hoje como Museu Charles X, (Museu Carlos X). Um museu, dentro de outro.

História do Louvre
Museu Carlos X, (Museu do Louvre). Foto: Angèle Dequier

Após abdicação de Carlos X, por causa da revolução de julho de 1830, (“Les Trois Glorieuses”), que reclamava a volta da monarquia absoluta, seu primo, Luís Felipe I, (1830 – 1854), assume o seu lugar dando continuidade no enriquecimento do museu com obras doadas, compradas e a chegada de muitos outros objetos oriundos das diversas descobertas no Oriente Médio, Grécia, Turquia, Argélia e Egito.

Museu Napoleão III.

Entre 1848 a 1852, Luís-Carlos Napoleão Bonaparte, (sobrinho do imperador Napoleão Bonaparte I°) foi eleito por sufrágio universal, 1° Presidente da França, mas em dezembro de 1851, no final do seu mandato, inacreditavelmente conseguiu a aprovação pela assembléia nacional da volta triunfante do regime imperialista, se autoproclamando, Imperador Napoleão III. E o Louvre passou ser chamado de Museu Napoleão III.

Com seus arquitetos Louis Visconti e Henri Lefuel, o museu passou por várias reformas como: o teto do salão “Carré”, os apartamentos do imperador Napoleão III, e as escadarias: “Lefuel”, e “Daru”, (que expõe atualmente a Vitória de Samotrácia) entre outras reformas.

História do Louvre
Apartamento Napoleão III

Visconti e Lefuel foram os responsáveis da unificação dos edifícios que haviam sido começados por Napoleão I°, e Luís XVIII, ao longo da  rua de Rivoli, ligando novas galerias, salões e os apartamentos do imperador Napoleão III, com o velho Palácio das Tulherias.

Fechando assim o museu por todos os lados, e com seus quatro pátios internos livre das antigas construções.

História do Louvre
Vista completa do Palácio do Louvre e das Tulherias (1852), de Ph. Blanchard. Brown University Library, Providence (EUA).

Museu do Louvre.

Em 1870, Napoleão III, após perder a guerra para Prússia, o congresso francês elege um novo presidente, Adolphe Thiers, que renomeia definitivamente o museu para o nome que conhecemos hoje: Museu do Louvre de Paris.

Em 23 de maio de 1871, a classe operária de Paris, (“les communards”) insatisfeitos com a politica deste novo governo, e inconformados com a derrota a Prússia, e a devolução da Alsácia-Lorena para a Alemanha acabaram incendiando o Palácio das Tulherias.

História do Louvre
Ruínas do Palácio das Tulherias. Foto: Jean-Eugène Durand.

Depois da destruição quase completa do palácio, várias propostas de reconstrução foram encaminhadas para aprovação no senado, mas todas acabaram sendo rejeitas em 1876.

Houve também uma proposta de conservação das ruínas e reconstrução da parte central do Palácio, assinadas por Haussmann (ex-prefeito de Paris que trabalhou nas transformações urbanas de Paris), Henri Lefuel (arquiteto de Napoleão III), e Vilollet-Le-Duc (arquiteto da renovação da Notre-Dame de Paris), mas também foram aprovadas.

Finalmente tudo foi demolido em 1883, restando somente os pavilhões laterias “Marsans”(lado rua de Rivoli), e “Flore” (lado do rio Sena), que nada sofreram.

E assim até hoje uma vasto vão ficou aberto, criando a famosa e atual perspectiva do Museu do Louvre, se estendendo com os jardins das Tulherias, Praça da Concórdia, Arco do Triunfo e Arco da Defesa.

História do Louvre
Museu do Louvre e jardim das Tulherias (1880)
História do Louvre
Vista área perspectiva do Louvre. Foto: Airpano.

A partir de uma lei em 1985, foi criado o organismo, “Réunion des Musées Nationaux”, com o objetivo de gerenciar todas as partes financeiras, administrativas e públicas dos museus nacionais, e suas relações com bancos, doadores, mecenas, compradores, vendedores… E tudo mais relacionado com a vida social, e obras de arte, do atual museu.

Grande Louvre, de Mitterrand.

François Mitterrand, presidente da França de 1981 até 1995, marcou seus dois mandatos, e a cidade de Paris, com vários projetos inovadores e modernos de construções e renovações arquitetônicas que ficaram conhecidos como; “As grandes operações de Arquitetura e Urbanismo” ou “As Grandes Obras de Mitterrand”.

História do Louvre
Grande Louvre de Mitterrand. Obras em 1987. Foto: Joseolgon

Sua intenção desde no inicio de seu 1° mandato era o mostrar ao mundo, o papel da França com relação à arte, a cultura, o patrimônio, seu contexto histórico, politico e social.

Podemos citar as seguintes obras realizadas e terminadas durante seus 14 anos de vida pública: Biblioteca Nacional da França, Cidade da Música, Cidade das Ciências e das Indústrias, Instituto do Mundo Árabe, Opera da Bastilha, Ministério da Economia e Finanças, Parque da Villette, Grande Arco da Defesa, Museu d’Orsay, e o que nos interessa aqui, o Grande Louvre.

O Louvre, de Ieoh Ming Pei.

História do Louvre
Ieoh Ming Pei. Imagem: http://architectuul.com/architect/i-m-pei

François Mitterrand contou para fazer a renovação do museu, com o arquiteto americano. de origem chinesa, Ieoh Ming Pei, (1917-2019), grande responsável pelo projeto do Grande Louvre, que recebeu a missão de modernizar e aumentar todas as aéreas de exposições, Sully, Denon e Richelieu (antigo Ministério das Finanças e Economia).

Além das reformas das inúmeras galerias e pátios internos, Ming Pei projetou a Grande Pirâmide e a Pirâmide invertida do Carrossel do Louvre, e uma nova infraestrutura subterrânea moderna, para atender os milhares de visitantes, com áreas de restaurantes, lojas, cafés, lanchonetes, estacionamento para carros e ônibus de turismo, locais de exposições, palco para desfiles de moda, salas de aula de, acesso subterrâneo no metrô, e novas portas de acessos ao Louvre.

Grande Piramide do Louvre.

História do Louvre
Grande Pirâmide de vidro do Museu Louvre. Foto: André Stuckert.

Ela é composta por uma estrutura de vidro, com 673 painéis, sendo que 603 tem a forma de losangos, e 70 na forma de triângulos.

Ao contrário do que pensavam os faraós, (pirâmide=sepultura), e o escritor, Dan Brown, no livro Código da Vinci, o fálus, (princípio masculino), e o numero satânico, 666 painéis, a Grande Pirâmide representa a Vida.

Em 1798, Napoleão Bonaparte, após sua passagem desastrosa pelo Egito, e antes de se tornar imperador já pensava na construção de uma Pirâmide no Louvre para comemorar suas vitórias, e os dez anos da Revolução Francesa. Mas esse projeto faraônico foi substituído por duas outras construções:

O pequeno Arco do Triunfo do Carrossel do Louvre, (1807-1809), dos arquitetos Charles Percier e Pierre Fontaine, por sua batalha vencedora em Austerlitz, na República Checa.

E o grande Arco do Triunfo (1806-1836), do arquiteto Jean-François Chalgrin, na praça, Charles de Gaulle, (Étoile), por todas as outras batalhas vitoriosas.

O arquiteto Ieoh MING PEI portanto deu continuidade a uma antiga vontade de Napoleão, construindo uma Pirâmide de aço e vidro no pátio central do Louvre, (pátio Napoleão), com outra simbologia e finalidade.

Para ele, a construção da Pirâmide foi uma forma de homenagear os grandes construtores da antiguidade fazendo o paralelismo entre o presente e o passado, utilizando a história como experiência e aprendizado, e mostrar ao mundo, a evolução dos conhecimentos, das técnicas, e da sabedoria do homem.

História do Louvre
Arquiteto Ieoh Ming Pei (101 anos).

Adepto da medicina chinesa, (que usam as pirâmides para vários tipos de tratamentos de saúde), pretendeu com o seu projeto, demonstrar para todos os visitantes que ao entrarem pela Pirâmide, você estará conectado com forças de energia positivas, boas vibrações com a vida, a história, a cultura e a arte. Ou seja ficar embaixo da pirâmide você estará aberto para novas experiências e conhecimentos inesquecíveis.

O Grande Louvre, de Ieoh Ming Pie, realmente foi um projeto emblemático e de difíceis soluções, pois tinha como principio a integração do antigo Louvre medieval, renascentista, barroco, clássico, neoclássico, com a arquitetura moderna do século XX.

A preservação do passado e construção do futuro, unidos no mesmo projeto. 

Inaugurado em 04 de março de 1988, foi aberta ao público em 01 de abril de 1989.

Departamento de Artes do Islã

Em 22 de setembro 2012, vinte e três anos após a inauguração da Grande Pirâmide do Louvre, foi aberto, na ala Denon, no antigo pátio descoberto, “Visconti”, o novo departamento de Artes do Islã.

Ganhadores do concurso em 2005, o arquiteto francês, Rudy Ricciotti e o italiano, Mario Bellini criaram uma galeria subterrânea, com uma cobertura ondulada, estruturada com 1600 triângulos de vidros dourados translúcidos, na forma de um tapete voador.

História do Louvre
Departamento de Artes do Islã. Projeto de Rudy Ricciotti e Mario Bellini.

Hoje estão em expostas aproximadamente 3000 obras, em mais de 1000 anos de história, de forma cronológica, desde a fundação do Islã até o século XVIII, abrangendo três continentes, da Espanha a Índia. Esculturas, Objetos em cerâmica, vidro, madeira, metais preciosos e magníficos tapetes decorativos.

História do Louvre
Departamento de Artes do Islã.

Louvre Lens

Inaugurado em 12 de dezembro de 2012, o Museu do Louvre Lens está localizado bem ao norte da França, no departamento Pas-de-Calais.

Museu do Louvre Lens, cidade ao norte da França.

A ideia deste museu surgiu por razões políticas, com objetivo de aliviar o excesso de obras em reserva no Louvre Paris.

Em 2005 a agência japonesa, Sanaa, dos arquitetos Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa foram os escolhidos entre os 120 arquitetos inscritos do mundo inteiro, para idealização de um projeto iluminado e contemporâneo.

Em 18 de novembro de 2013, eles ganharam o prêmio “l’Équerre d’Argent”, (Esquadro de Prata), de Arquitetura, pelo projeto de transparência, ambientação, e a reconversão de um solo abandonado pela alta exploração de minérios, em equipamentos culturais e sociais.

O paisagismo é de Catherine Mosbach, a mesma que fez do canal de Saint-Denis, o jardim botânico de Bordeaux, e o jardim botânico de Mônaco.

O museu é dividido em três espaços de exposições: A Grande GaleriaPavilhão de Vidro, e a Galeria de Exposições temporárias.

O Museu do Louvre-Lens em 2017 recebeu aproximadamente 450.000 visitantes por ano, número inferior em relação a média prevista que imaginavam atingir depois de 4 anos aberto, de 900.000 por ano.

Louvre Abu Dhabi.

Louvre Abu Dhabi, no Emirados Árabes Unidos.

Inaugurado em 11 de novembro de 2018, o Museu do Louvre Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos é um projeto do arquiteto francês Jean Nouvel, (o mesmo do Instituto Árabe, em Paris, e o Museu “Quai du Branly”), para realização de um museu universal, na ilha Saadiyat, ou “ilha da Felicidade”, na cidade de Abu Dhabi.

Em 06 de março de 2007 foi assinado entre os dois países um acordo bilateral, onde a França fica responsável dos trabalhos de consultorias técnicas na concepção da obra, na elaboração do projeto científico e cultural.

Além disso, o Louvre Paris deverá emprestar obras das suas coleções francesas, durante 10 anos, e deverá organizar quatro exposições temporárias por ano, durante 15 anos seguidos, ajudando-os, até que o Museu Abu Dabi tenha suas próprias coleções.

Em troca os Emirados Árabes Unidos doará 1 (um) bilhão de Euros durante 30 anos, para o Museu do Louvre Paris e outros museus franceses associados a está operação.

Interessado em visitar o Louvre? Clique no botão azul!

9 Comentários


  1. Adoro estas publicações. São precisas e valiosas. Agradeço muito.

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *