As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza

As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza

Tempo de leitura: 2 minutos

“As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza companheira de Apolo”, (ou em francês: “Les Trois Grâces, divinités de la végétation et de la beauté, compagnes du dieu Apollon”), de autor desconhecido é uma pequena escultura em mármore , de 1,19 m de comprimento por 0,85 metros de profundidade, realizado provavelmente no século II d.C. comprada por Napoleão Bonaparte I, em 1807, da Coleção Borghèse

As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza
“As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza”. Louvre. Foto: Antonio Jara.

Descoberta no monte Célio (“Caelius”), uma das sete colinas que cercam a cidade de Roma, na Itália.

As três Graças (ou Cárites), quase sempre representadas graciosamente abraçadas e nuas, segundo alguns poetas gregos, são elas: “Eufrosina, Tália e Aglaia”, representantes da “Vida” em toda sua plenitude, símbolos da sedução, concórdia, gratidão, da criatividade e da fecundidade. Espalham a alegria da natureza nos corações dos homens e dos Deuses.

É um original romano, do século II d.C. inspirado possivelmente de um original grego em bronze ou de uma antiga pintura mural do período helenístico (século V a.C a -30 a.C.).

As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza
“As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza”. Louvre. Foto: R.M.N.

Nesta obra especificamente elas representam a Beleza, a Arte e a Fertilidade.

As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza
Detalhe: “As Três Graças, divindades da vegetação e da beleza”. Louvre. Foto: R.M.N.

As cabeças forma restauradas em 1609 pelo escultor, pintor, gravuristas, Nicolas Cordier (1567-1612).

Podiam ser filhas de Zeus com Eurínome (ninfa oceânide), ou filhas de Dionísio (deus do vinho, e das festividades), ou de Hera (rainha dos deuses e da maternidade).

Faziam parte do cortejo de Apolo (deus da Beleza, da Perfeição, da Harmonia, do Equilíbrio e da Razão), Afrodite, (deusa celeste da beleza e do amor divino) Hera e talvez Dionísio. Menos importantes na mitologia grega e romana, foram muitas representadas a partir do século XIV até hoje.

Leia também meu outro artigo sobre o mesmo tema: As Três Graças, de Jean-Jacques Pradier(1790-1852).

Localização no Louvre:

Atualmente “As Três Graças divindades da vegetação e da beleza companheiras do deus Apolo”, se encontra na reserva do museu.

Fonte: Site Museu do Louvre. Foto capa: R.M.N.

Precisa de um guia para visitar o Louvre, clique no botão abaixo para mais informações e agendamento:

2 Comentários


  1. Parabéns pelo excelente trabalho.
    Amplia os nossos conhecimentos com riquezas de detalhes.

    Responder

  2. O que me encanta nessas esculturas são a riqueza de detalhes : os penteados, a delicadeza dos rostos e, felizmente, pela conservação, apesar do tempo.

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *